Bate Papo com Gabriel Ortaça, Orgulho do RS por manter acesa a memória a identidade e cultura do povo Missioneiro

1900

Gabriel Ortaça, traz no sangue a música e o amor pela terra missioneira, mantem acesa a memória a identidade e cultura do povo gaúcho, principalmente o povo das missões, isto se tornou um lema, manter viva a música missioneira. Aos 79 anos, Pedro Ortaça é único tronco missioneiro ainda vivo e continua legado junto à família e descobriu o talento de seus filhos desde cedo, assim, Gabriel Ortaça, quem sai aos seus não degenera, cantor, acordeonista, guitarreiro e missioneiro, filho do mestre Pedro Ortaça. Em entrevista para o blog Gabriel com seus dons artísticos mostra, o que é trabalho e legado, Gabriel Ortaça não poderia ser diferente, tem a sensibilidade do pai, e não nega a sua origem, a sua cultura e o amor pelo chão colorado e sua gente. Uma Figura carismática com talento que contagia o público, fãs fies e admiradores da cultura no meio tradicionalista, missioneiro, enaltece através de seu dom suas raízes.

Arquivo Pessoal Família Pedro Ortaça

Gabriel também é conhecido desde guri pela afinidade que tem com o acordeon e seu estilo missioneiro, com seu toque resoluto.

Gabriel sabe tocar com a imaginação e o sentimento de um nativista de coração.

O dom é algo dado por Deus. A pessoa que nasce com o dom da música tem a musicalidade na veia, no sangue. Esse é o diferencial de quem tem o dom. A sensação que você tem quando ouve um cantor ou um músico que sabe o que está fazendo, que domina o que faz, é que ele faz aquilo com naturalidade. Nossa alma se deleita ao ouvir a execução de um cantor ou músico que tem o dom.

Sua iniciação musical, guiada pelo seu pai com que idade começou Gabriel? 

 Primeiramente é prazer estar dando está entrevista no teu blog que mostra histórias de vidas e experiências, sempre é bom falar sobre a alma humana, eu comecei a despertar para música ainda criança porque meu pai cantarolava e tocava violão para nós dormir, mas ficávamos com os olhos arregalados escutando e minha mãe também cantava música para nós, aí meu pai percebeu o Dom que tínhamos para a música porque nossa família Ortaça meu avô, avó, tios, todos cantavam, tocam instrumentos músicas, um dom que existe nas missões a musicalidade, e meu avô paterno Alberto é de 1897. Eu comecei aprender gaita de oito baixos com 8 anos de idade levado pelo meu pai meu mestre maior pra aprender com Professor Olívio de Matos, depois com 16 anos aprendi com mestre acordeonista Vilmar Ávila Brittes um cego que era um dos maiores músicos já teve nas missões! 

Você é de uma família missioneira que orgulha o Rio Grande, com humildade, identidade e comprometimento com as suas raízes. Como você se sente quando estão todos unidos juntos através da música da arte; consigo sentir em ti ao tocar o sentimento de um nativista de coração:

 Gabriel Ortaça: Sandra veja que a família é nosso bem maior, aqui nas missões nossos ancestrais ensinaram dar muito valor a família e as pessoas mais experiente mais sábias, por isso, escuto bastante conselhos do meu pai sobre a importância de ser missioneiro de alma é sentimento e uma missão, pois o Don da música é um presente de Deus e na nossa família Alberto tocava violão gaita e agora canta e declama é compositor a Marianita gaiteira e cantora, toca violão e bombo legueiro, quando tu faz o que gosta tudo sai melhor, e na música também, o povo sente a energia boa e verdadeira, isso é muito bom e gratificante ouvir das pessoas, que adoram suas músicas por que me faz tão bem pra alma! 

Me diz duas inspiração pessoal e profissional na vida:

 As minhas inspirações pessoal e profissional é meu pai "Pedro Ortaça" e meu irmão o "Alberto Ortaça";

Porque, embora com pouco estudo meu pai é umas das pessoas mais sábias que já vi ele escuta muito, observador e fala quando precisa e com precisão os conselhos dele são muito valor para quem sabe aproveitar, por falta de condições financeiras seu era peão agregado era muito sofrido a vida depender de maus patrões no interior de São Luiz Gonzaga, família de muitos filhos, meu pai conta que quando mudou para a cidade ele juntava ossos nos campos e resto de mandioca que caia dos vagões de trem para troca por uns trocos e comprava um pedaço osso com carne para levar para o rancho sua casa, meu pai também foi tentar a vida na capital também 1960, foi de trem e não deu certo lá as coisa, ele passou fome uns dias e e com muito suor e sacrifício arrumou a passagem de trem para voltar para casa nas missões, tudo isso e muito mais do que ele passou, mostra a firmeza vontade que ele tinha de mudar essa realidade e ajudar seus familiares e amigos e como sempre fez a Bailanta do tibúrcio seu maior sucesso ele cantava para seus amigos, pessoas boas amigos de seu pai, hoje acho meu pai tem dois prazeres na vida ter feito músicas belas de mensagem das missões agora agora com 79 anos ele sabe que valeu apena a caminhada cantar a sua terra aldeia e ganhar o mundo! 

Na foto os dois irmãos Gabriel e Alberto, que desde crianças já valorizavam a cultura gaúcha.

Meu irmão Alberto Ortaça é um verdadeiro guerreiro uma pessoa que me inspira a cada dia , pelo exemplo de superação de alegria que contagia a todos nós. Alberto foi vítima de um acidente de carro em 2005. Seu caso foi considerado irreversível. Entre a vida e a morte, a família Ortaça travou um período de lutas diárias, carregada de sofrimento e esperanças. E a fé a esperança a força de vontade de Alberto, junto a força de Pedro, Gabriel, Marianita e Rose, passaram por uma prova de resistência. Em um momento de dor, era hora de unir forças e buscar a recuperação, fez com que ele tivesse a vida á musica de volta é a benção aconteceu:

Desde bebê Alberto já demonstrava afinidade e atenção com a música.,na foto seu pai Pedro cantava e tocava para ele dormir, mas Alberto ficava concentrado prestigiando seu pai tocar, mostra que sempre nítido sua paixão pela música.
Alberto fazendo algo que o fez lutar para renascer, o palco é sua vida a musica sua inspiração e motivação maior.

Alberto Ortaça de volta aos palcos, é muito amor pela música cantada com paixão, garra e otimismo. Enxergamos a força de vontade caminhando pelo palco, como o melhor símbolo uma luz a pairar e iluminar sobre a família Ortaça. Visualizamos que aquele afeto e apego, tem mais nomes do que amor à pátria ou ao tradicionalismo. É a união desta família, incondicionalmente retratada na força de vontade de cada um deles.

Uma família missioneira que orgulha o Rio Grande, com humildade, identidade, alegria uma simpatia que irradiam luz por onde passam, e um comprometimento com as suas raízes.

Um momento mais marcante em sua carreira:

Momento mais marcante são vários mas um deles ganhar o prêmio açorianos de música de Porto Alegre, o maior prêmio da música do RS com CD Alma cordeona e guitarra os mais jovens músicos a ganhar está distinção foi eu meu irmão Alberto com 17 anos na época e outra é ter representado o Estado do Rio Grande do Sul na posse de um presidente da República 2003, cantando na explanada dos ministérios junto com Don Ortaça música gaúcha pela primeira vez oficialmente na posso de um presidente, outros grandes nomes da música brasileira também se fizeram presentes como Chico Buarque e Gil! 

A sua cordeona gaita, você sempre junto dela, exceto que não possa carrega-la contigo, o que ela representa para você, quando através deste precioso instrumento musical mostra seu talento e sua simpatia ao tocar:

A cordeona gaita é prolongamento de mim levo ela sempre por onde ande quando abraço a cordeona quase sempre sai uma música e quando a inspiração vem a alegria toma conta seja num palco ou não tem que tocar com vontade e transmitir algo bom para o povo nosso amigos que são os culpados de hoje estarmos aqui com o apoio do público o artista sabe que fundamental para uma carreira duradoura e seguir em frente em cada cidade a gente tem amigos e a música abre portas bendita música! 

Você tem biotipo características físicas interessantes para atuar como ator ou modelar, inclusive sobre que já foste convidado para participar de um filme nacional gravado no RS, me fala um pouco sobre Gabriel:

 Eu fui convidado recebi uma ligação estava num show em SC, até achei que era trote, a Panda produção de Porto Alegre estava selecionando atores para fazer o filme Tempo e vento no papel Pedro Missioneiro, onde iria contracenar com a Cléo Pires, linda e grande artista, topei e minha família apoiou: vai lá faz teste e eu achei seria a Cléo Pires no ensaio era outra moça a treinei uns beijos falei as frases espanhol , tudo certo, mas aí ao falarem sobre a minha disponibilidade, falei que tinha meus compromissos shows agendados, ai escolheram o outro ator mas tudo é aprendizado um dia da certo outro, já tenho outro convite para um filme muito bonito da nossa história! 

Gabriel durante gravações de um de seus clip

Não vou matar meu avós pra ficar de bem com os netos (JCB), temos que respeitar nossos ancestrais, primeiro somos missioneiro porque veio antes do RG este lugar sagrada pela bondade da paz da alma Guarany para quem tem contato com os índios sabe que são pessoas dotadas de respeito e paz e cantar o Rio Grande viver no Rio Grande e uma benção porque é pra mim lugar mais lindo que existe pela simplicidade de tu olhar o campo, ouvir o som dos pássaros a vertente correndo, sensação muito boa e inspiração para versos musicais e não podemos cantar só as belezas tenho que cantar reivindicando os direitos das pessoas, talvez mude meu cantar.

Quando se for a tristeza 

Quando encontrar pão na mesa dos humildes e explorados 

Quando sacrificados tenha seu lugar ao sol 

E vejam no seu pai 

 Fartura e dignidade 

E amplie se a sociedade com um raiar de um novo dia 

Quando a justiça der cria do ventre da liberdade (Pedro Ortaça). 

 


O que não pode jamais faltar no churrasco de domingo:

O que não pode faltar no churrasco é música e chimarrão! 

Sobre a pandemia o que mudou para você estes mais de 2 anos:

 O que mudou com pandemia foi que estraguei muitas roupas até aprender a usar kiboa, virei eletricista,encanador e fiz até horta em casa pra passar o tempo, rsrs, a saudade da estrada é muito grande, tem que trabalhar muito isso porque a vida de artista é andar. o lado bom, que peguei mais meus instrumentos e fiz 2 discos novos essa é a parte boa e agora vacinados, só marcar gravação e gravar! 

Durante a gravação do clip "Meu Canto Raiz", com amigos e seu irmão Alberto e seu pai que aos 79 anos, Pedro Ortaça é único tronco missioneiro ainda vivo e continua o legado junto à família um verdadeiro orgulho para o RS.

Família Ortaça já fizeram shows na serra catarinense:

Gosto muito da serra Catarinense já fiz show em várias cidades, festa do pinhão e gosto muito dos pratos feitos a base de pinhão com um vinho tinto melhor ainda Um dos lugares mais bonito que guardei na lembrança daí foi a fazenda do Barreiro onde tive a alguns anos atrás com minha família, fogo de chão. E em Curitibanos temos muitos amigos, tantos lugares lindos de SC e prolongamento do Rio Grande povo muito bom! Esperamos voltar a fazer show em SC.

Gabriel com sua irmã talentosa, inteligente e apaixonada pela cultura missioneira, Marianita Ortaça, além de cantora missioneira é psicóloga e empreendedora tem a primeira marca de moda Missioneira- Gaúcha, que preserva e comunica suas origens e valores, @marianitaortacagrife

Agradecer a você querida Sandra pela oportunidade de dar essa entrevista muito boas as perguntas, dizer quando você tem um sonho vá firme acredite em você seja as artes como pintura a música a fotografia, o que for tente e tenha muita dedicação e nunca diga que é tarde porque eu estou aprendendo agora violão a faz 2 anos já estou arranhando bem a guitarra treinando com um professor muito bom, não tenha pressa a lo Despacito, sobre a vida escute mais música coloque uns instrumento musical nós mãos das crianças para não ficar só em celular, faça o que você gosta Abraço aos meus fãs e amigos deste missioneiro amigo de vocês! Gabriel Orataça.

Pousada e Centro da cultura em São Luiz Gonzaga da família Pedro Ortaça um sonho perto de ser realizado , moderno e antigo.

Contatos para Shows com Pedro Ortaça e família pelo fone: 55999167873 gabrie_ortaca pagina Gabriel Ortaça.

Por Sandra Rosa

Bate Papo com Gabriel Ortaça, Orgulho do RS por manter acesa a memória a identidade e cultura do povo Missioneiro

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

Manchete

Quem viu também curtiu

Sonhos interrompidos: Hoje ela saiu assim, de violão na mão em busca dos seus sonhos...

Viver fora de seu país é um ato de coragem; Conheça um exemplo em determinação a serrana Francieli Garcia

Sessão Fotográfica: Essência do Outono com Jenifer Dutra